foto Leandro2 151020HerbstD_NOPB3_194 rez rafael2 denis-opcao-1 TG_188_low avatar2014 perfil7.png.png leandro-uol cadastra marcelo Rodrigo Nascimento 2015 Screen Shot 2015-08-19 at 11.44.44 Camilo-coutinho-foto pedro-dias

Sim, webmasters deveriam, com certeza, fazer link building em 2015

Postado em 31 de março de 2015

De quando em quando um grande nome da comunidade de SEO promove um mal-entendido, que é escolhido a dedo e retransmitido por toda a blogosfera do marketing. A gafe da semana veio do geralmente confiável Barry Schwartz, autor de um título sensacionalista de artigo que se lê: “John Mueller do Google: Eu Evitaria Link Building de Modo Geral”. O título é completamente errôneo porque a pergunta a qual John respondeu foi sobre a criação de links para melhorar os rankings das buscas (como recomendado pelo Moz e outros Websites). E o que John disse, na verdade, foi: “Essa é uma boa pergunta. De modo geral eu evito fazer isso…”

Infelizmente, as pessoas não se interessaram em assistir ao vídeo. Apenas acreditaram nas palavras de Barry de que John estava desencorajando blanket link building, e não era isso o que ele estava fazendo. Estava apenas reiterando a posição do Google sobre o posicionamento intencional e criação de links que possuem a intenção de influenciar os resultados das buscas: por favor, não faça isso.

Começamos, então, a ver o costumeiro desenrolar de posts de blogs e discussões em fóruns onde as pessoas citam incorretamente e transmitem a informação errada. Link building é, na verdade, o que você deveria estar fazendo pelo seu Website em 2015.

Com certeza, você deveria estar fazendo link building

Com certeza, você deveria estar fazendo link building

Se você cria estes links para influenciar os resultados das buscas, essa é uma decisão comercial. Existe um risco implícito a esse tipo de atividade de criação de links e você deveria apenas fazer isso com o totalentendimento dos riscos e as possíveis consequências. Mas nem todo link building gira em torno de influenciar os resultados das buscas.

Pessoas que não entendem a otimização dos resultados de busca realmente lutam contra este conceito. SEO NÃO GIRA APENAS EM TORNO DE LINKS; LINKS NÃO GIRAM APENAS EM TORNO DE SEO.

Vamos dar uma olhada no tipo de link building que você PODE e DEVE fazer para o seu Website em 2015 (e em diante)

Faça isso para criar visibilidade e promover seu Website, não porque você espera alguma mudança nos resultados das buscas. Suas estratégias de link building deveriam levar em consideração que, um dia, sua única fonte de tráfego virá de links que estejam em outros sites, não de ranking nos resultados das buscas.

Links de navegação do site são benéficos

Achei que eu estava lidando aqui com um tema óbvio. Quando você adiciona novo conteúdo a um Website, você atualiza a navegação para incluir tal conteúdo, certo? Certamente você não está planejando parar com esta prática apenas por causa de um título sensacionalista e enganoso, não é?

Claro, a navegação no Website acontece de várias formas. Veja um blog como este. Ele possui um menu, mas também pode usar barra lateral e widgets de rodapé que exibem os links para os posts recentes e comentários, ou para o arquivo mensal, categorias, ou tags de arquivos, ou para artigos que possuem um destaque especial. Estes tipos de links não apresentam problemas porque existem para que seus visitantes os usem.

E a boa notícia é que você não precisa usar o atributo de link “rel=‘nofollow’” para deixar estes links aceitáveis para a maioria dos resultados das buscas.

Navegação em sites pode também incluir widgets especiais que você embute nos seus artigos e páginas. Não estou falando daqueles links livres embutidos no corpo do texto, mas os widgets extras que são codificados no decorrer da página (tais como widgets de “Posts Relacionados”).

Links de auto-referência são benéficos

Muitos Websites começaram a abusar do uso de links de auto-referência (quero dizer, usam demasiadamente), mas, no geral, é perfeitamente aceitável incluir links no corpo da sua landing page. Este link para o meu artigo anterior sobre como sua marca modifica uma busca semântica é um exemplo de um link auto-referenciado. Eu não preciso usar o atributo “rel=‘nofollow’” num link como este.

Links em widgets de “Posts Relacionados” também são links auto-referenciados. Na verdade, vários comerciantes usam muitos links auto-referenciados para conectar os produtos à listas de outros produtos complementares ou similares na esperança de que os consumidores coloquem no carrinho mais itens por compra. Não existe uma política de mecanismo de busca que diga que é proibido usar links auto-referenciados ou que você deveria incluir o atributo “rel=‘nofollow’” neles.

Acho que o exagero no uso dos links auto-referenciados cria uma má experiência para o usuário, e talvez tal exagero seja um sinal usado pelo algoritmo Panda, por isso esse é o momento de permitir que sua ganância ou desespero por “melhor posicionamento nos mecanismos de busca” decidam por você quando usar links auto-referenciados.

Links cross-promocionais são benéficos

Um link cross-promocional é um link de um Website para outro. Não estou falando aqui daqueles links que você vende para outros Websites. O que estou falando é que, se você possui dois Websites, não há problemas em criar links de um para o outro como uma forma de informar seus visitantes sobre seu outro site. Por exemplo, eu também escrevo o Blog SEO Theory. Se você usar um plugin “nofollow” no seu browser, você verá que eu não embuti o atributo naquele link.

Os “Googlers” têm dito repetidamente através dos anos que, se você tem um, dois, alguns sites e eles são, de alguma forma, relacionados entre si (mas sem um duplicar o propósito do outro), então não há problemas em mostrar aos seus visitantes links para estes sites. Usar o atributo de link “rel=‘nofollow’” é opcional, não é obrigatório. Algumas pessoas o usam apenas por serem paranóicas. Eu não uso e não me preocupo com o Bing ou Google batendo na minha porta.

Algumas pessoas certamente abusaram do uso de links cross-promocionais, o que as levou à penalidades. Por exemplo, ano passado muitas pessoas que estavam contando apenas com os links de guest posts nos blogs descobriram da pior maneira que esconder as âncoras de palavras-chave no seu parágrafo de “Sobre o Autor” não era aceitável para os mecanismos de busca. Uma coisa é você escrever uma biografia como esta:

  • “Michael Martinez é o autor do blog SEO Theory, dentre vários outros. Atualmente gerencia uma comunidade de ficção científica na SF-Fandom.com”.

Outra coisa é escrever um parágrafo como este (as palavras sublinhadas representam âncoras de link):

  • Michael Martinez é o autor do blog SEO Theory, dentre vários outros. Atualmente gerencia uma comunidade de ficção científica na SF-Fandom.com”.

Deveria ser óbvio que encher sua biografia com âncoras de palavras-chave melhora seu posicionamento nas buscas.

Será que você não deveria, então, incluir links para os seus sites na caixa de “Sobre o Autor”?

Pessoalmente, eu acredito que não há problemas nisso se você não tiver a intenção de ficar pescando texto âncora. Os donos de sites que aceitam os guest posts deveriam considerar o uso do atributo de link “rel=‘nofollow’”, especialmente quando não conhecem muito bem o blogueiro. Eu ocasionalmente escrevo guest posts para outros sites, tal como este artigo no Marketing Pilgrim onde explico em detalhes o porquê eu aleatoriamente edito artigos antigos e limpo os links que originalmente coloquei neles. Quando Andy Beal me convidou para escrever esporadicamente artigos para o site eu disse que não precisava de um link. Para mim é suficiente ter sido convidado para escrever para um Website de tanto prestígio.

Links de blogroll são benéficos

Link Building com Blogroll

Link Building com Blogroll

Acredite se quiser, aquela lista de links daqueles blogs que você lê ou admira, o blogroll, ainda está em alta. Melhor ainda, é muito útil para os seus visitantes (a menos que o blogroll não seja apenas uma longa lista de todos para quem você possa vender links). Assim como tudo em páginas da Web, eu acredito que os blogrolls devem ser pequenos, pois se incluir mais de 12 itens, as pessoas já não conseguirão encarar uma lista grande, visualmente falando.

Os links de blogroll costumavam ser bem populares entre os compradores de links, especialmente links sitewide. Agora, é verdade que houve um debate interminável se os links sitewide de modo geral ou os links sitewide de blogroll levavam à penalidades, mas eu acredito que já esteja claro que os motores de busca não se importam com os links de blogroll se estes forem naturais e editorialmente focados. Existem vários Websites que ainda listam SEO Theory ou Xenite.org nos seus blogrolls e que não sofreram nenhuma penalidade quanto a isso. Na melhor das hipóteses, os links agregam um pouquinho de PageRank. Na pior das hipóteses, são ignorados.

Na posição de Webmaster você escolhe quais sites serão mencionados no seu blogroll. Você pode criar links para o seus próprios sites, sites dos seus amigos, sites de estranhos. Não importa. Mas eu não venderia estes links se eu fosse você. Um mecanismo de busca pode ou não ser capaz de dizer se um certo link foi vendido, mas quando as pessoas começam a comprar links da barra lateral, blogroll ou rodapé em grande volume, é melhor que você acredite que eles estão criando um padrão facilmente identificável que puxa você para a teia das penalidades de spam da Web.

Pedir que outros sites criem links para o seu é benéfico

Pedir que outros sites postem links do seu não é exatamente link building por não ser um link que você controla. Mas também não é um earned link onde você não tem nada a ver com a criação ou colocação dele. Por isso, incluo “pedir por links” na categoria de link building.

O que faz com que as pessoas se metam em problemas mesmo é para quem elas pedem estes links, como elas pedem e o quanto essas pessoas tentam controlar os links que pediram. Algumas pessoas acham que estão sendo inteligentes ao usarem estratégias de link reclamation (pedindo aos Webmasters para substituir links antigos que estão em sites de terceiros com links para os seus próprios sites), mas eu suspeito que esta prática eventualmente resultará em sua própria cota de penalidades, dependendo de quem fez isso mais vezes. Insisto, é difícil dizer se um único link pode ser considerado manipulação, mas se você começar a querer reivindicar a atualização desses links toda semana, você eventualmente criará um padrão que será fácil de identificar.

Apenas peça por links quando você acredita honestamente que eles beneficiarão as pessoas que visitarão os sites que possuem links para o seu. Como eles se beneficiarão desses links? Eles não precisam clicar neles, embora você deveria querer que eles o façam. Mas se você escreveu um artigo muito bom que explica como resolver um problema, e você sabe que alguém está publicamente se debatendo com essa mesma questão, não há problemas em mencionar a solução que você possui.

Eu recomendo que isso seja feito particularmente, não em um comentário de um blog. Ou talvez até por mídia social. O ponto aqui é não começar a se parecer com um idiota criador de links. Você deveria estar fazendo um favor para a outra pessoa, não indo procurá-la para que lhe favoreça com um link.

Algumas pessoas gostam de compilar grandes listas sobre um determinado tópico. Se você acredita que seu conteúdo é tão bom ou melhor do que o de outros sites da lista, então você deveria pedir pelo link. Se, porém, você está usando um software para encontrar essas listas, então você deveria provavelmente juntar-se a um monastério e contemplar os fracassos da sua vida.

Qualquer forma de link building sistemático é um método de alto risco

Link Building Sistêmico é Ruim

Link Building Sistêmico é Ruim

Não vou dizer que é “ruim”. Isso é totalmente entre você e o mecanismo de busca. Se você está confortável com o risco, ou se simplesmente você for do tipo desencanado, que sabe que o Website eventualmente será penalizado mas não está nem aí, então tudo bem. Este é o seu tipo de negócio.

Mas se você acredita que está sendo o herói do link building por NÃO violar deliberadamente as políticas dos mecanismos de busca, então o que você está realmente fazendo é ajudando a construir a base para o surgimento de novas políticas das search engines. Se seu método de aquisição de links é tão sistemático que você já possui  metas semanais ou até mensais, você está correndo grandes riscos.

Algumas pessoas conseguem gerenciar esses riscos muito bem. Algumas pessoas, porém, acabam tendo problemas mais cedo ou mais tarde. E, é claro que é o nosso orgulho que nos convence de que as penalidades nunca afetarão nossos sites.

Links de mídias sociais são benéficos

Não vou sair por aí dizendo “vá em frente e construa todos os links em mídias sociais que você deseja”, porque até mesmo os sites de mídias sociais têm seus limites. Mas como quase todos os links de mídias sociais estão agora usando o atributo “rel=‘nofollow’”, será difícil você ficar sujeito a penalidades ao criar links para a audiência dessas mídias. E o fato de você precisar criar estes links para as pessoas deveria guiá-lo na criação de bom conteúdo e links úteis.

Links em Mídias Sociais

Links em Mídias Sociais

É verdade que existem os spammers das mídias sociais. Os piores deles usam software para criar várias contas e compartilhar vários links entre elas, sem pestanejar. Mas as grandes empresas possuem seus próprios times anti-spam que varrem o pior dos piores. E o fato de que as comunidades nas mídias sociais tendem a reclamar sobre os spammers ajuda esses serviços a manter as coisas relativamente livres de spam. E existe o fato de que nas mídias sociais você tem a possibilidade de colocar no MUDO, BLOQUEAR ou REPORTAR pessoas que estão fazendo spam.

Por isso, o incentivo para o compartilhamento de apenas links bons e interessantes é muito forte na esfera de mídias sociais.

E enquanto alguns estudos de caso recentes sugerem que os links de mídia sociais podem ser pinçados por outros sites, já é notícia velha. E eventualmente os mecanismos de busca irão pegar pesado com as pessoas que buscam links secundários ecoados dos agregadores de mídias sociais. Não há problemas em obter estes links naturalmente, mas assim que você os sistematiza, você será penalizado. Será apenas uma questão de tempo.

Esse artigo é uma tradução autorizada pelo Michael Martinez e o original pode ser lido aqui: http://seo.xenite.org/2015/02/20/yes-webmasters-should-absolutely-build-links-in-2015/

 

Para continuar lendo esse artigo é necessário estar logado


Nome:

E-mail:

Senha:

Repita a senha:

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Campo com preenchimento obrigatório
Quero me inscrever e participar do maior evento de search do Brasil